sexta-feira, 18 de março de 2011

René Descartes e o Racionalismo (2º Ano)

René Descartes (1596-1650)


"Não existem métodos fáceis para resolver problemas difíceis" (Descartes)

Quando pensamos na palavra Racionalismo, pensamos imediatamente em alguma coisa que fale de Razão. Será que tem alguma coisa a ver? Opa..., tem! O Racionalismo é a concepção que afirma que a razão é a unica faculdade capaz de propriciar conhecimento adequado da realidade. Descartes pode ser considerado o representante ilustre do racionalismo. 
Como havíamos visto anteriormente, Copérnico e Galileu haviam inaugurado uma nova maneira de pensar a respeito da ciência que colocou de cabeça para baixo todo o sistema aristotélico vigente desde sempre e que tinha um caráter geocêntrico, Descartes defendeu essa nova maneira de pensar. 
Descartes pôs em dúvida todo conhecimento que havia recebido até então, mas não queria duvidar como os céticos, ou seja, duvidar por duvidar, sem saber duvidar, nosso filósofo queria um Método para orientar seu espírito nesse percurso...humm, mas qual? Descartes percebe que algumas verdades são indiscutivéis, como a matemática, por exemplo, sendo assim, o método matemático foi o escolhido por ele como instrumento de auxílio à razão. 
Os racionalistas, assim como Descartes, acreditavam num conhecimento A priori (partindo daquilo que vem antes), anterior à experiência. Princípios que são indiscutiveis são A priori, como, por exemplo, o princípio da não-contradição: "A não pode ser Não-A" ou "O quadrado não pode ter três lados" ou ainda, "A soma dos ângulos de um triângulo é de 180°". 



CURIOSIDADE: Descartes era um cara que, supostamente, foi descrito pelo médico desde o seu nascimento, como alguém de constituição física frágil, por isso, durante sua estada no colégio interno, tinha o privilégio de ficar até mais tarde na cama e não participar das atividades físicas, sendo assim, nosso filósofo aproveitava para ficar horas dormindo e estudando, claro. Esse hábito de dormir tanto, até pelo menos meio-dia, talvez tenha resultado na sua morte quando foi convidado pela Rainha Cristina da Suécia, para lhe prestar serviço dando-lhe aulas de Filosofia. O problema é que a rainha adorava ter aulas às 5h da matina, leiam bem, 5h da matina, num frio absurdo, daqueles que só a Suécia pode ter, ou seja, o podre dorminhoco, morreu logo de pneumonia. Oh, Rainha Cristina, tadinho do rapaz! Mas como dizem: "Deus ajuda quem cedo madruga", nesse caso acho que esse ditado não foi válido para Descartes! :P

Vejamos uma divisão interessante que nosso amigo Descartes faz do conhecimento, ele chamou de Árvore do Conhecimento:


 I) A metafísica teria um papel fundamental e a base que sustenta as outras ciências. 
*Metafísica: (Meta=além, Física=matéria), ou seja, além da matéria, se ocupa em estudar a essência do mundo. (O que é a realidade? O que é natural? O que é sobrenatural?).

II) A física como o tronco representa a visão mecanicista do filósofo e de onde deriva as outras ciências.

III) A mecânica, a medicina e a moral são explicadas tendo por base os corpos e seus movimentos.
OBS: A teologia não entra no projeto cartesiano*, marcando a separação entre ciência e religião.
*Cartesiano vem do nome latino de René Descartes, em latim Descartes era conhecido como Renatus Cartesius, por isso, conhecemos na matemática o plano de Descartes como PLANO CARTESIANO.

O método cartesiano era composto por 21 regras quando ele escreveu o livro Regras para a direção do espírito, depois resumido em 4 regras quando ele escreve Discurso do Método. As regras cartesianas tinham por objetivo pôr a razão no bom caminho, evitando, assim, o erro. Vejamos as 4 regras:

1) Evidência: Rejeita todo conhecimento vindo dos sentidos, da imaginação ou formulação apressada.
2)Divisão: Dividir cada dificuldade no maior número possível de parcelas e estudar cada uma separadamente.
3) Ordem: Partir dos problemas mais simples para os mais complexos.
4) Enumeração: Revisão de todo o processo, uma visão global para garantir não ter esquecido nada.

PS: Pararemos por aqui, na próxima postagem veremos o Cogito!
Divirtam-se com a leitura.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dê sua opinião.